Arturia Minibrute 2 & Minibrute 2 S

  • Workshop
  • 17 Dezembro, 2017

A Arturia parece continuar mestra em ler tendências, criar tendências e adivinhar produtos que não sabemos que queríamos e precisávamos até os vermos! Não há qualquer dúvida que se há sintetizador que relançou a febre dos sintetizadores Analógicos, de custo acessível mas de GRANDE som, esse sintetizador foi o MiniBrute! Muitos foram o que vaticinaram de completa loucura quando a Arturia apresentou ao mundo um analógico, sem presets, sem efeitos e monofónico a 499€, mundo que parecia em uníssono acreditar que o software era o futuro inquestionável.
Aqui está o seu natural seguimento!
Arturia MiniBrute 2!

Á primeira vista parece um MiniBrute 1 com um painel lateral de ligações que naturalmente nos faz logo deduzir que estamos na presença de um semi-modular! Por outro lado a parte inferior deixa logo adivinhar um sequênciador por passos (tal como o microbrute) e arpeggiador! Pensem num cruzamento entre um MiniBrute um Keystep. Mas agora com 2 Osciladores e 2 LFOs (e o OSC 2 pode ainda funcionar numa gama de LFO adicionalmente) e já agora as entradas Audio (no patch bay), sim agora são 2, uma como no anterior Minibrute e uma segunda que vai directo ao master sem passar pelo filtro.

O Sucessor espiritual do Minibrute que trouxe a síntese analógica para as massas promove agora a ligação ao gigantesco mundo dos modulares, mas sem perder o caracter e marcas tão únicas do seu som analógico, capacidades de dar forma ao mesmo e que definiram o que é já um legado!

Mas vamos então a uma análise mais próxima, começamos pelos 2 Osciladores "Brute" e não apenas um, ainda que estejamos perante um monofónico (nem sequer parafónico). Já agora fica também estabelecido que todas as funções escritas a azul, por baixo das principais a branco, são as ligações ou caminhos existentes por defeito se não introduzir-mos nenhum cabo no Patch Bay e que as altere claro.
O OSC1 é muito semelhante ao que já conhecemos do MB1 com Glide e a adição de FM (Modelação da Frequência), já o OSC 2 é mais simples no sentido em que não podemos esculpir as diferentes ondas disponíveis (Sinosóidal, Serra e quadrada), ainda assim pode funcionar numa gama de frequências muito baixa (LFO), normal tal como o osc 1 (all) ou numa gama mais curta. Já na mixer temos as 3 ondas do OSC1, Ruído Branco, entrada de som Externo e OSC 2 (neste caso só temos um tipo de onda seleccionada no mesmo), por exemplo sabemos que o Ultrasaw Amount é controlado pelo LFO2 e que o Metalizer é controlado pela velocity.

O filtro é o distinto Steiner-Parker que já conhecemos e que torna todos os Brutos tão únicos e aqui não falta caracter (o que é um completo eufemismo ;)  ). É aqui que as possibilidades de modelação são mais obvias pois podemos controlar a direcção e intensidade. Já nos envelopes temos o tradicional ADSR e um segundo envelope mais dedicado a percussões e outros truques visto que só dispomos de Ataque e Decay, mas temos opções adicionais como por exemplo seleccionar um envelope em modo gate (on / off basicamente) ou trigger, e ainda disparar uma só vez ou correr em loop que permite todo o tipo de truques como automatizações ciclicas, FM, etc...

Mas não se deixem intimidar pois é perfeitamente possível operar este novo Brute sem ter de entender "patavina" de modelares, daí ser um Semi-Modelar, á medida que formos ganhando confiança podemos ir entrando nas modelações e eventualmente adicionar uns módulos etc...!!

É aqui que reside muita da magia deste novo MiniBrute 2, no PatchBay (48 pontos no total), não só a capacidade de fazer modelações e redireccionamentos mas porque o transforma no coração de um qualquer sistema Modular, convém não esquecer que para além da interacção sonora do Minibrute 2 para outros sintetizadores ou o inverso, podemos usar as suas extensas capacidades como teclado de 25 teclas agora com aftertouch incluído, arpeggiador e sequênciador.
Todas a funcões com o rectângulo a branco a circundar a descrição da mesma a preta são saídas já quando a legendagem está simplemente a branco são entradas (parâmetros que queremos modelar).

Depois de um painel de Patch tão detalhado a traseira pareçe bem espartana no entanto temos as essências saída principal e de auscultadores os inevitáveis MIDI IN e OUT e USB. E o USB continua a ser essencialmente para comunicação MIDI e Clock, não há audio.
 

No teclado para além do referido temos básicamente o mecanismo do Keystep com as sua funcionalidades de sequenciação, e arpeggiação. Convém não esqueçer que este teclado é semelhante ao do MatrixBrute, ou seja com velocity e aftertouch. Já aqui na zona do teclado todas as sublegendas em azul são funções que activamos recorrendo ao botão de Shift.

Preço previsto 649€ Iva Incluído

 

Minibrute 2 mas em versão S, S de sequenciador.
Para facilitar vamos directo á questão, qual é a diferença da verão com teclas?
A parte da execusão, ou seja, o sintetizador e patchbay (48 pontos de patching) são exactamente os mesmos mas em vez do teclado de elevada qualidade temos Pads ao estilo do Beatstep.


No Sequenciador que também podemos usar como arpegiador temos 3 linhas de sequência que podem inclusivamente ter diferentes durações entre si. Estas 3 camadas pode ser usadas para criar melodias ou automatizar/ modelar parâmetros. Podemos memorizar até 64 Patterns e claro temos um modo de encadear os mesmos para sequenciar toda uma música se assim pretender-mos, nestes PADs de elevada qualidade e durabilidade podemos tocar as notas com velocity e aftertouch.

Preço previsto: 650€ Iva incluído.